Make your own free website on Tripod.com
HOME
  Aqui estão alguns endereços muito úteis sobre genealogia Italiana, nacionais e estrangeiros. Boa sorte e não se esqueça que a paciência é fundamental. 
Sobre dupla cidadania, eu gostaria de expor algumas opiniões que tenho à esse respeito:

Primeiramente acho que um dos itens prioritários é aprender o mínimo da língua Italiana, pois quem está interessado somente no passaporte Italiano, sem se preocupar com mais nada, como é o caso de várias pessoas que conheço, para mim parece um oportunista. Se você quer ser reconhecido como cidadão de um país, tem a OBRIGAÇÃO MORAL de saber o mínimo à respeito dele, um pouco de suas tradições e história. Saber a língua é também uma necessidade, pois você precisará lidar com documentos da Itália, e se precisar ou querer viajar para lá não passará "vergonha" ou dificuldades... Para mim não foi muito fácil, já que quando eu estava fazendo o curso, que levou 2 anos e meio, estava também fazendo faculdade, além de trabalhar o dia todo. Aos sábados acordava às 6:40 e ia para a escola de Italiano. Tem que gostar e ter dedicação, como tudo na vida.

Dito isso, vou fazer um resumo de como foi o caminho que tive que percorrer para conseguir todos os documentos e onde estou parado nesse processo de dupla cidadania.
Eu tive a sorte de meus parentes terem guardado um documento chamado "Stato della Famiglia", que era a descrição do núcleo familiar que estava embarcando do porto de Gênova para Santos e que tinha a relação da data e local de nascimento de todas as pessoas da família. Assim, eu levei esse documento para um Patronato, e eles escreveram um pedido para a cidade em que meu Bisavô nasceu (Gaiarine-Treviso) solicitando a certidão de nascimento dele.

Cerca de 2 meses depois chegou a certidão, aí com ela em mãos (que obviamente é o documento mais importante) eu comprovei que a grafia correta é ROSOLEN, e então eu iria ter que retificar praticamente todas as certidões de minha árvore (que eu consegui depois de várias visitas em cartórios na região de Pirassununga-Leme, em São Paulo) pois a grafia do sobrenome variava em cada certidão, por exemplo Rozolem, Rozolen, Rosolem. Se você não sabe por quais cartórios procurar, uma boa dica é conversar com os parentes mais velhos, os tios e tias sempre podem ajudar com alguma informação. Depois começei a procurar um advogado que cobrasse um preço justo para cuidar desse processo de retificação, já que uma delas está com erro na idade de óbito. Nesse meio tempo, descobri através do serviço internacional da Embratel que para minha surpresa haviam vários e vários Rosolens morando ainda em Gaiarine; anotei o fone de alguns, mas eu tive que ir até a Câmara de Comércio Italo-Brasileira, no edifício Itália (SP) pesquisar nas listas telefônicas Italianas para conseguir o endereço deles. Anotei o endereço de todos os que estavam na lista, tanto de Gaiarine, Treviso e Veneza. Algum tempo depois eu escrevi para várias pessoas, com ajuda da professora de Italiano, e das quais 1 me respondeu e outra pessoa ligou para minha casa quando eu não estava (e sou só eu que falo italiano em casa hoje...), de modo que até hoje não sei quem é essa pessoa que me ligou.

Vale lembrar que a INTERNET é uma ferramenta fantástica que pode auxiliar muito em qualquer pesquisa, use os sites de busca, nacionais e internacionais (www.cade.com.br e www.altavista.com e www.yahoo.com por exemplo). Tanto que foi pela Internet que eu acabei encontrando parentes na Itália com os quais mantemos contato até hoje.

Hoje, depois de eu esperar por anos que um advogado em Lençóis Paulista cuidasse do processo de retificação das certidões para aí sim eu dar entrada com o pedido de dupla cidadania, finalmente achei uma advogada que cobra um preço justo e tem experiência no assunto, na mesma cidade em que eu nasci e onde estão a maioria das certidões.

Se seu parente desembarcou em Santos, peça uma pesquisa da certidão de desembarque no MUSEU DA IMIGRAÇÃO de São Paulo, pode ser um bom começo.
O pedido pode ser por fone ou e-mail, mas não deixe de conhecê-lo pessoalmente pois é muito interessante.

Rua Visconde de Parnaíba, 1316 - Brás - SP

Fones: 692-7804/692-2497 Fax: 693-1446

e-mail: imigrant@plugnet.com.br

Visite o Memorial do Imigrante

 
 
Anderson
 

Atualizado em 2002